sexta-feira, 1 de setembro de 2017

O Vinho e sua Taça!






Você pode até não saber (e muitos não sabem mesmo, então não se preocupe), mas escolher a taça certa para cada tipo de vinho é uma tarefa importante e, nem sempre, tão fácil. Nós sempre dizemos que isso não deve ser um impedimento para você tomar o seu vinho ou começar a entrar nesse universo tão amplo e gostoso, mas, de todo modo, reconhecemos a importância dos estudos e avanços das taças.


Assim como há uma enorme diversidade de vinhos no mundo, existe uma variedade significante de taças no mercado. A escolha para um vinho específico não é apenas uma questão de etiqueta ou convenção – se feita de maneira correta, ela irá realçar as principais características da bebida (e isso é fato consumado!) -. Cor, aroma, sabor: tudo isso se torna mais vivo, aguçando ainda mais os sentidos dos apreciadores da bebida dos deuses.


Mas a 
evolução das taças 
se deu de forma lenta até bem pouco tempo atrás, sem muitas mudanças no seu design, que obedecia apenas sua utilidade prática de beber.


As pessoas realmente não davam importância ao significado que a taça poderia ter na degustação do vinho. Somente no século 20, com os avanços tecnológicos e os estudos científicos na área, descobriu-se que, não somente o formato, como também o material com que cada taça é fabricada, influencia na percepção do vinho. Ainda assim, em alguns países da Europa, como França e Itália, os bistrôs e cantinas servem vinhos em taças simples, que mais se assemelham a um copo com uma haste curtinha. Especialmente os “vin de pay” ou os “vino di tavola” são servidos assim. Uma questão cultural, apenas.


Talvez você já saiba que os gostos específicos (doce, salgado, amargo, etc.) são sentidos por papilas gustativas de diferentes localizações no mapa da nossa língua. Assim, especialistas baseiam as confecções das taças de modo a fazer com que seu formato conduza o vinho ao lugar exato na boca onde suas características principais, como acidez, doçura e sabores, serão melhor apreciadas.




Mapa da língua indicando áreas sensoriais dos gostos:


Outros fatores são importantes para potencializar as qualidades da bebida na sua apreciação. Para não alterar a temperatura ideal de serviço do vinho, por exemplo, é necessário que a taça tenha hastes longas, para que se possa segurá-la sem que haja o contato com o bojo. Falando nele, quanto mais aberto, mais realça os aromas. No caso dos espumantes, o formato longo favorece a visualização de suas bolhas e a apreciação de seus aromas que são levados às extremidades com a ajuda das borbulhas.





Existe uma taça “curinga” no mercado, feita com padrão internacional (ISO) para degustações técnicas, serve para apreciar todo tipo de vinho.


Não se pode perder de vista, contudo, que a experiência da degustação do vinho é particular, não sendo necessário que você tenha uma centena de taças diferentes para poder apreciar um bom vinho. É preciso, sim, entender que essas taças, se bem escolhidas, irão lhe conduzir a uma experiência gustativa mais sólida e prazerosa.


Taça "ISO"




Dito isto, é possível possuir uma variedade pequena de taças em casa e ainda assim experimentar diversos tipos de vinhos. Especialistas aconselham que apreciadores devam ter no mínimo 4 tipos básicos para que não se tenha grandes prejuízos na degustação dos diferentes vinhos existentes no mercado: duas com modelos grandes para tipos diferentes de tintos (Bordeaux e Borgonha), uma taça com tamanho médio para brancos e uma estreita e alta para espumantes.




Para vinhos tintos
Bordeaux

Taça grande feita para beber vinhos mais encorpados e com taninos mais acentuados. Com bojo largo, alongado e boca fechada para concentrar os aromas, evitando sua dispersão. Indicada para apreciar vinhos das uvas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Syrah, Tannat, entre outras.
Borgonha

Taça arredondada, em formato balão, feita para vinhos concentrados e com menos taninos. Com bojo e boca largos, estimula a apreciação das qualidades mais arredondadas e maduras da bebida. Indicada para vinhos Pinot Noir, Barbera Barricato, Amarone, Nebbiolo, entre outras.

Para vinhos brancos

Taça de corpo médio feita para consumir vinhos em baixa temperatura. Com aba estreita, distribui o vinho de forma uniforme em todas as partes da língua, enfatizando seu frescor, doçura e acidez de maneira equilibrada.

Para espumantes

Taça fina com bojo alto e boca estreita (flute). Mantém as borbulhas por mais tempo, realça e direciona os aromas para o nariz, potencializando sua delicadeza e frescor.
Exemplos no nosso infográfico






Apreciem com moderação!!

Fonte: Clube dos Vinhos Vinitude

Adriani Gonçalves

Pesquisar este blog