sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

IMPOSTOS


Não é só 2014 que bate à porta dos brasileiros em janeiro. Contas como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos), matrícula e material escolar chegam com o início do ano e acabam tirando o sono dos consumidores.


O número de despesas em janeiro é grande por isso a palavra-chave precisa ser Organização
A primeira coisa a se fazer é uma lista com todas as despesas - pode ser na ponta do lápis ou no computador. 
Procure priorizar as contas com datas de vencimento mais próximas e também as que cobram juros muito altos. 
Além das contas extras do primeiro mês do ano, contas de despesas essenciais, como água, luz, telefone, condomínio e transporte se mantêm. 
Para facilitar a organização prepare uma planilha , onde podem ser registradas e controladas as despesas durante o ano.
"Organizar as despesas é uma forma muito eficiente de manter o equilíbrio financeiro e evitar endividamento".
O planejamento permite que o consumidor tenha uma percepção mais clara de para onde vai o seu dinheiro e, dessa forma, auxilia no corte de gastos e na criação de reservas financeiras.



Como pagar todas as contas?

Depois de contabilizar o quanto você ganha e o quanto gasta durante o mês, é hora de verificar qual a melhor maneira para pagar cada uma dessas contas. 
No caso do IPTU, o consumidor que possuir o dinheiro para pagar à vista, o mais recomendável é que o faça. Embora o desconto pelo pagamento à vista seja pequeno, essa será uma parcela a menos ao longo do ano. Mas se não há possibilidade de pagar o valor total do imposto de uma só vez, o jeito é parcelar mesmo.
Como o valor do IPVA é geralmente mais alto que do IPTU, normalmente vale a pena pagar à vista somente em casos em que o desconto for superior a 8%. Uma dica importante: não é uma boa alternativa contrair uma dívida para pagar o valor inteiro, mesmo se o desconto for alto.
Para quem possui filhos matriculados em instituições de ensino, a preocupação é também com a matrícula e o material escolar. Como muitas escolas não dão a opção de parcelar a matrícula, a opção do consumidor é tentar economizar na compra do material escolar.
A pesquisa de preços para quem deseja economizar é essencial, pois as diferenças dos valores entre as lojas é grande. Outra boa sugestão é não levar os filhos na hora das compras, pois eles podem querer materiais com estampas de personagens licenciados, que acabam saindo muito mais caros. Se desejar pagar à vista, é interessante comprar os itens mais baratos em várias lojas. Por outro lado, se a compra a prazo for a sua escolha, pode ser mais interessante para o consumidor comprar todo o material em uma única loja para obter melhores condições de pagamento.
O Idec ainda alerta que as escolas não podem exigir na lista materiais de higiene nem de uma marca específica, muito menos obrigar que a compra do material seja realizada somente na escola ou em determinada loja. 


Adriani Gonçalves
 
FONTE: Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

 

Pesquisar este blog